Afinal, empréstimo para comprar imóvel vale a pena?

Afinal, empréstimo para comprar imóvel vale a pena?

Para a maioria das pessoas, comprar um imóvel próprio é um grande sonho. Porém, a renda média do brasileiro não é suficiente para quitar o apartamento de uma vez só.

Por esse motivo, é preciso analisar as outras opções que o mercado pode oferecer. Podemos citar, por exemplo, o empréstimo e o financiamento.

Nesse texto focamos no empréstimo para compra imóvel. Assim, além de contar quais as suas vantagens e desvantagens, vamos também dar dicas para que você saiba escolher a melhor opção. Chegou a hora de entender tudo sobre esse assunto!

Como são feitos os empréstimos para a compra de imóvel?

De forma geral, o cliente pega uma quantia emprestada com uma instituição para quitar o imóvel. Em contrapartida, a pessoa vai realizar o pagamento em um determinado número de prestações, que estão sujeitas a juros.

Os empréstimos podem ser feitos por bancos, financeiras ou empresas de crédito online. Por isso, o ideal é pesquisar bastante. Assim, aumentam suas chances de reduzir a taxa de juros, conseguir que a instituição ceda um valor mais alto, prazos melhores e outras condições que podem ser negociadas.

Os sites Canal do Crédito e Melhortaxa são exemplos de empresas de crédito online. Elas mostram diversas informações, que podem ser filtradas de acordo com os dados que o cliente inserir. Com esse auxílio, é possível comparar algumas instituições, e começar a entender as diferenças entre elas, antes de entrar em contato.

Quais as vantagens e desvantagens do empréstimo?

A principal vantagem é que o comprador consegue o imóvel imediatamente. Logo, quando o objetivo é adquirir crédito de maneira rápida, essa é a melhor opção.

Outra vantagem é que as parcelas de entrada exigidas são em torno de 10% a 20% do valor do imóvel. É uma quantia bem razoável para quem está considerando essa opção.

Entretanto, é preciso ter cautela. A aprovação para conseguir um empréstimo nem sempre é rápida, já que as empresas têm muitas exigências. As mais frequentes são os pré-requisitos de idade e de renda mínima. O cliente precisa ter entre 18 e 60 anos e a parcela não pode representar mais de 30% da sua renda mensal.

Outra desvantagem é que os juros costumam ser altos, e podem variar muito entre as instituições. Além disso, existem custos extras de taxas (como o ITBI) e seguros obrigatórios que incidem sobre o valor do imóvel.

Como funciona o financiamento de imóveis?

Tanto no caso do empréstimo quanto no financiamento o cliente pega uma quantia emprestada com a instituição, e faz o pagamento em prestações com incidência de juros. Então, qual é a diferença entre eles?

Basicamente, no primeiro caso a instituição não precisa saber o destino específico da quantia cedida. Já na opção de financiamento, é obrigatório que o banco conheça o objetivo final do dinheiro emprestado.

Por esse motivo, no financiamento, o banco terá o imóvel adquirido como garantia. Dessa forma, caso haja inadimplência no pagamento, a empresa terá direito a esse bem. Essa garantia influencia no valor dos juros, que costuma ser mais baixo para o financiamento do que para o empréstimo.

Além disso, quando o financiamento é feito com uma construtora, é possível desistir da compra. É o caso da aquisição de um apartamento na planta. Em uma situação como essa, o valor é devolvido ao cliente, e o imóvel volta a ficar à venda.

Quais cuidados você deve ter ao fazer um empréstimo?

Por todas essas características que citamos, você deve analisar os riscos envolvidos nessa forma de obtenção de crédito. A forma correta é pesquisar muito antes de escolher uma empresa ou banco. Além disso, tenha certeza de que sua renda é suficiente para o pagamento das parcelas.

Vamos explicar com mais cuidado alguns deles, assim você poderá fazer uma escolha consciente.

Risco de perder o imóvel

Antes de assinar o acordo, verifique todas as condições de crédito oferecidas. Avalie, principalmente o Custo Efetivo Total do imóvel. Esse custo já inclui os juros e demais taxas.

As prestações não poderão impactar as demais contas da família, pois, no caso de inadimplência, o banco tem direito ao imóvel. Analise se você terá condições de quitar as parcelas até o fim do prazo. Caso o prazo para pagamento seja muito longo, pense também em possíveis imprevistos, por exemplo, se decidir mudar de cidade.

Quando há inadimplência, o banco envia uma notificação ao cliente, por meio de um oficial ou por carta. Caso ele não quite as parcelas atrasadas, o imóvel será leiloado.

Se isso acontecer, e o imóvel for vendido por um valor superior às prestações em atraso, o cliente tem direito à devolução da diferença. Por outro lado, se ele for vendido por um valor menor, o cliente perde o montante já pago.

Valor dos juros e prazos

Como já salientamos aqui, a taxa de juros é o fator que causa maior impacto no empréstimo para comprar imóvel. Nas parcelas iniciais é comum que a maior parte do valor seja de juros.

Isso acontece porque a prática do mercado é repassar o custo dos juros para as primeiras prestações. Assim, o banco ou a instituição consegue ter garantia de que receberão esse pagamento, repassando o risco da compra do imóvel para o comprador.

Os prazos também precisam ser avaliados. Quando ele é menor, os juros podem ficar mais baixos. Por outro lado, as prestações são mais altas.

Como escolher a melhor opção?

Na maior parte das vezes, a melhor opção é a que oferece uma taxa menor de juros, e o custo efetivo total é inferior. Entretanto, é possível que na mesma empresa, você consiga opções de crédito distintas.

Dessa maneira, o jeito é comparar as opções. Além do financiamento, existe um modelo de empréstimo pessoal e um consignado. Na primeira opção, você precisa ter outro imóvel em seu nome, e ele entra na negociação como garantia – é a chamada hipoteca.

Já no modelo consignado, a instituição exige uma série de comprovações. Uma delas é que as prestações não podem comprometer mais do que 30% da renda mensal, como já citamos.

Agora que você leu o texto, com certeza, já tirou muitas dúvidas sobre os tipos de empréstimo para compra de imóvel. Quer continuar aprendendo? Conheça também sobre o consórcio de imóveis!

Sem comentários

Cancelar